Autenticação


Busca avançada

Relatos Swingprive.com

COM MEDO DO TARADO,

COM MEDO DO TARADO, COM O TARADO DO LADO Tudo começou depois de uma alegre confraternização com o pessoal da empresa. Era para ser uma pequena reunião depois do trabalho, mas acabou se estendendo para a noite. Bebemos e rimos muito e na hora de ir embora, Rose me pediu prá acompanhá-la até o metrô mais próximo. Rose era uma menina muito simpática, estatura média, nem magra nem gorda, cabelos compridos, bundinha bem feita e seios pequenos. Era um tesãozinho de mulher , devia ter uns 35 anos e era casada. Durante toda a reunião a gente ficou conversando, trocando olhares, mas nada além disso, Ela me pediu prá acompanhá-la porque até chegar à estação do metrô, tinha que passar por uma rua meio sinistra, escura, uma rua comercial ,que naquela hora já estava vazia. Além disso, corria um boato que tinha um tarado agindo por aqueles lados. O tempo estava fechado, ameaçando chuva o que tornava a noite ainda mais escura. Eu estava excitado com ela ao meu lado, principalmente quando, ao entrarmos na tal rua, ela se agarrou no meu braço e pude sentir a maciez do seu seio se esfregando no meu braço. Pelo avançado da hora, a rua já estava vazia e como é arborizada o local fica bem escuro, De repente, começou a chover, e a chover forte.. Ela que notou um recuo em frente a uma loja onde a gente podia se abrigar. Logo a chuva caiu forte, barulhenta. Ficamos lado a lado, falando sobre a chuva, ela me agradecendo por ter feito companhia prá ela, falou com o marido pelo celular , justificou o atraso, deu pra ver pela conversa que ele não gostou e que discutiram um pouco. Rose desligou o telefone e me disse : tenho que ir, tenho que ir com chuva e tudo, o Paulo ficou muito puto, ele é muito ciumento. E me explicou que ele sempre monitorava seus horários, ela praticamente não podia sair nem fazer nada a não ser ao lado dele. Lembrei então, que realmente ela nunca estava com o pessoal nas nossas happy hours de sexta. "Hoje foi uma exceção, ela falou, mas já vi que não deu muito certo." Estava ansiosa, a chuva estava mais forte. " Vou embora assim mesmo", ela falou .mas quando colocou o pé na calçada, as luzes dos postes ( eram poucas) se apagaram, a rua ficou totalmente escura, logo depois um relampago cruzou os céus e ouviram-se uns dois trovões bem fortes. Rose deu um gritinho e voltou para o meu lado, me abraçando, com medo dos trovões.. Sentindo seu corpo bem apertado ao meu, fiquei ainda mais excitado, e ela deve ter percebido minha excitação. Um pouco tempo depois, ela se desculpou e se desprendeu dos meus braços, Quando percebi que ela estava se afastando para ir embora, subitamente puxei-a pelo braço, e a encostei na parede Com os olhos fixos na sua boca, segurei seu rosto com as duas mãos, acariciei seus cabelos e beijei-a lentamente,um beijo quente, molhado, gostoso. Rô entregou-se aos meus carinhos, entreabriu os lábios e nossas línguas se entrelaçaram Apertado nela , beijava e chupava o seu pescoço. Ela gemia eu a apertava como que querendo fundir-se nela. numa sessão de amassos que foi ficando cada vez mais quente. - Eu me esfregava nela com o pau duro por dentro da calça, roçando, como se quisesse entrar com calça e tudo. Eu estava alucinado,tonto de tesão.. Beijava, abraçava, apalpava, apertava, Beijei-a até ficar ofegante. Isso me deixou ainda mais louco. Falando baixinho,sem parar, eu alisava sua bunda,sua barriga e sem que ela pudesse esboçar qualquer reação, subi seu vestido e comecei a tocar sua xaninha , acariciando firmemente por cima da calcinha, Instintivamente,Rô foi abrindo mais as pernas e se movimentando ao ritmo das minhas mãos, gemendo intensamente. Afastei a calcinha e comecei a fode-la com os dedos, e logo estavamos olhando fixamente um dentro do olho do outro, Rô gemia e gemia, me deixando com muito mais tesão. Comecei a alternar meus dedos entre a buceta e o grelinho enquanto beijava a sua boca, dava pra sentir o prazer dela na minha lingua. e em movimentos suaves esfregava a bucetinha dela, dava pra sentir seus olhos brilharem,mesmo na semi escuridão , e as reboladas se tornavam mais intensas, a buceta estava encharcada de tanto tesão, então comecei a masturbar a bucetinha dela e olhando para os olhos dela eu perguntei se estava tudo bem, Em resposta ela empurrou minhas mãos para o grelinho dela e começou a esfregar ,com a mão em cima da minha.. e eu comecei a esfregar o grelinho dela, nunca tinha visto um grelinho tão duro, ficaria massageando ele por horas, mas estava sentindo que sua bucetinha apertava meus dedos ,ela gemia eu tinha certeza que ela estava quase gozando. Eu colocava e tirava meus dedos da bucetinha dela com movimentos bem suaves, eu queria que ela gozasse ,queria muito e meus dedos se alternando bem devagar na bucetinha dela, então ela quase implorou pra que eu não parasse, e eu continuei com aqueles movimentos suaves, e senti ela gozando por uns 10 segundos, ela tremia na minha mão e eu não parava de alisar a buceta dela,com as mãos em concha,sentindo seu coração batendo na buceta. Quando ela não estava mais aguentando, tirou minhas mãos do meio das suas pernas, eu sentia as pernas dela tremendo, vê-la gozando nas minhas mãos me deixou com muito tesão, me afastei um pouco ,peguei a camisinha no bolso de trás da calça , coloquei no pau duro Ela disse baixinho alguma coisa que não entendei. Eu estava louco de tesão, apertei-a contra a parede, subi a sua saia, afastei a sua calcinha pro lado e sem avisar, enfiei todo o cacete durinho dentro da sua buceta molhada , Enfiava tão fundo que fui ficando na ponta dos pés. Eu metia forte, levantei a sua saia até a altura da cintura e apertava sua bunda e dava tapinhas.. - " Nossa" ela disse, Ela me segurava pelo pescoço prá se equilibrar, eu levantei uma de suas pernas e segurei-a pela coxa, junto à minha cintura, enquanto a fodia com força, martelando sua buceta. Eu falava baixinho que ela era um tesão, que era gostosa, enquanto a beijava, mordia. Entrava e saia, aumentava e diminuía o ritmo, parava às vezes e pedia prá ela : "olha pra mim, olha prá mim ". Ela me olhava, não dizia nada. Aumentei o ritmo, martelando dentro dela, e estava quase gozando.. "vou gozar", eu disse, apertando sua coxa . Aumentei a intensidade dos movimentos e senti o gozo chegando...e urrei como um animal,gemi um "ahhhhhhhhhh" prolongado e gozei como um louco, em espasmos deliciosos. Não tirei o pau de dentro dela enquanto esporrava, e não sei quanto tempo ficamos abraçados, eu com a boca no seu pescoço, ela acariciando os meus cabelos. Aos poucos, meu coração que havia disparado foi voltando ao normal e fui saindo de dentro dela, Então disse : " desculpa, não pude me controlar. Vc me deixou louco de tesão" Só então percebi que estava com as costas todas molhadas, a bolsa dela estava no chão e a gente estava com as roupas todas amassadas. Tinha parado de chover, agora apenas garoava. Ela quase não disse nada,pegou a bolsa, disse, "tenho que ir " e saiu quase correndo. Ainda pedi que ela esperasse ,mas o tempo que levei para guardar o meu pau ainda meio duro, foi o suficiente pra ela entrar na estação do metrô .

Voltar





Comentários Relatos Swingprive.com


Voltar




Swingprive.com 2018